T R A F E G A N D O

Observe os locais por onde passam os veículos e as pessoas. Os espaços são suficientes? Os veículos passam com segurança? Tem espaço suficiente para monobrar o veículo? As pessoas estão a salvo? Dá para entrar e sair em segurança do veículo?

Anote: www.ebanataw.com.br/trafegando

Atenção: Site em desenvolvimento, as partes estão sendo colocadas no ar na medida em que ficam prontas.

VIA EXPRESSA CRUZAMENTO ROTATÓRIA GUIA REBAIXADA RUA PARTICULAR ESTACIONAMENTO

No Brasil, morrem mais de 100.000 pessoas no trânsito por ano. Isto representa 273 mortes por dia. Nesse mesmo instante alguém está morrendo atropelado (espero que não seja da sua família). Pode ser um pedestre que andava pela rua, pode ser um ciclista que cruzava uma avenida, pode ser um motoqueiro que queria "fazer bonito", pode ser que o risco não estava sinalizado, pode ser um motorista que estava embriagado, pode ser um buraco que a concessionária abriu mas esqueceu de tampar, pode ser que o motorista dormiu no volante, pode ser um passageiro que deixava o motorista nervoso, enfim, depois que morre não adianta ficar discutindo se foi isso ou aquilo - o importante é EVITAR que a morte ocorra.

MUITAS MORTES QUE OCORREM NO TRÂNSITO SÃO EVITÁVEIS, isto é, PODERIAM TER SIDO EVITADAS.

A Lei Federal n0 9.503 tem até um artigo, o de número 88, que diz "Nenhuma via pavimentada, que acabou de ser construída ou terminada as obras de manutenção, poderá ser entregue ao tráfego enquanto não estiver devidamente sinalizada, vertical e horizontalmente, de forma a garantir as condições adequadas de segurança na circulação."

Uma simples faixa amarela que separa os fluxos numa via de mão dupla, mesmo que não pareça, é componente imprescindível para quem pela via trafega à noite pois sem ela não se sabe onde começa e onde termina a faixa que devemos nos manter dentro dela. Então, o choque frontal é de ocorrência certa.

 

O engenheiro civil Roberto Massaru Watanabe, formado na USP e especialista em infraestrutura urbana, que participou do projeto do Anel Rodoviário de São Paulo, da Rodovia dos Imigrantes e que foi professor de engenharia de segurança na UNICAMP apresenta detalhes técnicos e dimensões minimas para que o tráfego de veículos e de pessoas possa ser realizado em segurança para todos, isto é, pedestres, passageiros, cadeirantes e, também, para os motoristas, motociclistas e ciclistas.

Ele entende que quando a população tem conhecimento e acesso à informação, mesmo que seja uma informação "técnica", a população pode fazer pressão, pelos meios que dispõe, para obrigar os responsáveis a fazer o que já está regulamentado em lei, fazendo as obras que a prefeitura ou a concessionária "esqueceu" de fazer e ensinar condutas adequadas e civilizadas ao "andar" na rua, seja a pé, em veículo particular ou transporte coletivo.

É muito comum encontrar situações de negligência do poder público e faixas apagadas, placas caídas ou enferrujadas, contribuindo, com esta falta ou ausência de sinalização, para a ocorrência de acidentes com vítimas que irão carregar para o resto da vida as sequelas da consequência da "falta" de sinalização. Um simples cidadão pode comunicar tais fatos ao Ministério Público. O MP entra em contato com o responsável pela sinalização da via e vai elaborar um TAC, isto é, um Termo de Ajustamento de Conduta onde o responsável, seja a Prefeitura ou Estado, se compromete a, em determinado prazo, botar a sinalização exigida por Lei Federal. Qualquer pessoa pode fazer uma denúncia junto ao Ministério Público e nem precisa ir até eles pois o MP oferece sites na internet. Veja mais detalhes em .

Uma situação como esta, aparentemente sem gravidade, pode facilitar a ocorrência de acidentes graves. Pedestres são as maiores vítimas do trânsito e os acidentes acontecem geralmente nas "faixas de travessia de pedestres" que "existem" mas os motoristas não vêem. Esta situação é suficiente para o Ministério Público mandar interditar a via pois segundo do Código de Trânsito Brasileiro, que é Lei Federal n0 9.503 determina em seu artigo 88 que "Art. 88. Nenhuma via pavimentada poderá ser entregue após sua construção, ou reaberta ao trânsito após a realização de obras ou de manutenção, enquanto não estiver devidamente sinalizada, vertical e horizontalmente, de forma a garantir as condições adequadas de segurança na circulação."

Ainda, o mesmo Código estabelece, no artigo 1º que: "§2º O trânsito, em condições seguras, é um direito de todos e dever dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito, a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar as medidas destinadas a assegurar esse direito. §3º Os órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito respondem, no âmbito das respectivas competências, objetivamente, por danos causados aos cidadãos em virtude de ação, omissão ou erro na execução e manutenção de programas, projetos e serviços que garantam o exercício do direito do trânsito seguro".

1 - GENERALIDADES

1- TRÁFEGO X TRÂNSITO
Diferença entre Tráfego e Trânsito. O que é Engenharia de Trânsito e o que é Engenharia de Tráfego.

2- ÓRGÃOS