POÇO ARTESIANO


Algumas pessoas pensam que "poço artesiano" é sinônimo de qualidade da água e buscam, a todo custo, encontrar este tipo de fonte para abastecer as suas necessidades de água. Pensam também que o poço artesiano pode ser encontrado em qualquer lugar embora saibam de histórias como a da forquilha ou do homem da forquilha, uma espécie de mago que encontra o local exato de ocorrência de um lençol de água no terreno.

O poço artesiano tem essa designação porque o princípio do seu funcionamento se baseia no fenômeno descoberto na cidade de Artésia na França que ficou conhecido como artesianismo. Só pode ser chamado de Poço Artesiano aquele que se vale desse fenômeno.

Acompanhe as explicações pelo desenho a seguir:

Quando a água da chuva infiltra no terreno, vai percolando (fluindo dentro do solo poroso) até encontrar uma camada de material impermeável (não poroso). Nesse ponto a água poderá ficar retida, acumulada formando um lago subterrâneo ou escoar na forma de rio subterrâneo até encontrar um barranco onde ela poderá brotar na forma de mina d'água.

A água retida por camadas impermeáveis é conhecida como água freática ou lençol freático.

Um poço cavado no terreno até encontrar água do lençol freático é um Poço Freático. Às vezes encontramos água a poucos metros de profundidade. Dizemos que é um Poço Raso. Outras vezes só encontramos água a grandes profundidades (200 metros ou mais). Dizemos que é um Poço Profundo.

Cuidado! O poço pode ser muito profundo mas não é a profundidade que caracteriza o poço como sendo um poço artesiano. Um Poço Freático, mesmo que tenha mil metros de profundidade nunca será um Poço Artesiano.

Como se forma o artesianismo.

Em alguns lugares encontramos um fenômeno geológico denominado Derrame de Basalto.

Em alguma época remota (milhões de anos atrás), a terra rachou e soltou lava derretida. A lava quente foi escoando pela superfície formando uma imensa placa (ou laje) que pode chegar a vários quilometros de comprimento e largura.

Depois disso, e também ao longo de milhares de anos, o vento e a chuva foram carregando material arenoso para cima dessa placa de basalto, formando uma camada porosa de areia.

Em seguida aconteceu um novo derrame de basalto. A terra abriu novamente e mais lava derretida escoou pela superfície por cima da areia e cascalho carregado e depositado pelas chuvas.

Veja no desenho acima, que as duas placas de basalto (representadas na cor marrom para efeitos didáticos) com areia no meio formou uma espécie de "sanduiche" onde a água que percola pela areia ficou confinada (presa) não tendo por onde sair pois as camadas de basalto são impermeáveis.

Em algum lugar à montante (parte mais alta do terreno), as chuvas que caem conseguem entrar nessa camada de areia e a água da chuva vai percolando por muitos quilometros através dessa camada.

Ao abrirmos um poço à juzante (parte mais baixa), a água pode jorrar para fora, devido à diferença de cota (altura) que produz uma pressão hidrostática. Observe que para chegar na água que está na parte confinada, o poço tem que furar a camada de basalto que fica em cima. O basalto é uma rocha que é mais duro que o granito, necessitando, por isso, de brocas especiais.

Esse poço é o Poço Artesiano.

O nome se dá em homenagem a Artésia, cidade da França onde o fenômeno (artesianismo) foi descoberto.

O SUBSOLO GEOLÓGICO

O estado de São Paulo sofreu, no passado remoto (já milhões de anos atrás), diversas ações geológicas com erupções de derrames de basalto e erosões pelas intempéries que deixaram inúmeras camadas de materiais no subsolo.

Especificamente, os diversos derrames de basalto ocorreram em diversas eras geológicas formando um "super" sanduiche de diversas camadas.

O desenho a seguir dá uma pequena idéia dos diversos derrames ocorridos e a camada de areia resultante recebem nomes como Arenito Botucatu, Arenito Bauru. São placas imensas com centenas de quilometros tanto na largura como no comprimento.

Quando você estiver visitando as Cataratas do Rio Iguaçu poderá ver as inúmeras camadas de derrame de basalto.

artesia2.jpg (61308 bytes)

Essas linhas vermelhas do desenho acima mostram as linhas das fraturas geológicas por onde saiu o fluxo de lava. Coincidentemente, essas mesmas falhas geológicas propiciam a penetração da água a grandes profundidades, onde encontra solo quente e essa água aquecida emergem na forma de Fontes Termais que encontramos nas estâncias hidro-termais do estado de São Paulo e também nos estados vizinhos.

Veja um exemplo de uma fonte natural de águas quentes no norte do estado.

Os demais estados que fazem parte da Bacia do Rio Paraná também possuem um subsolo em diversas camadas.

 

FREÁTICO x ARTESIANO

A grande diferença entre um Poço Freático e um Poço Artesiano está na qualidade da água.

O Poço Freático, principalmente o poço raso, é muito vulnerável à contaminação.

Qualquer xixi de cachorro ou cocô de cavalo ou as fezes das aves pode ser rapidamente conduzido ao lençol freático pela água da chuva.

É muito comum encontrar condomínio de apartamentos com um "poço artesiano" no quintal mas muitos desses poços chamados de "artesianos" nada tem de artesiano sendo apenas um poço freático. Mesmo tendo 200 metros de profundidade um poço freático é fácil de ser contaminação. É por isso que esses condomínios precisam mandar fazer a análise de potabilidade da água todo mês ou logo após as grandes chuvas.

Por outro lado, o lençol artesiano caminha por centenas de quilometros. Por exemplo, a água que sai de um poço artesiano na cidade de Presidente Prudente penetrou no "sanduiche" de areia e basalto na região de Botucatu caminhando por ele cerca de 400 quilometros até chegar a Presidente Prudente. São 400 quilometros de filtros de areia que irão purificando a água e mesmo que a água estivesse, inicialmente, muito poluída em Botucatu ficará totalmente depurada até chegar a Presidente Prudente.

Se alguém, maldosamente, quiser "contaminar" a água de uma lençol artesiano é muito difícil pois a camada superior do derrame é impermeável e teria que furar a camada para conseguir chegar no lençol.

 

Cuidado para não cair no "conto do poço artesiano". Na região da Grande São Paulo não existe artesianismo de modo que não existe Poço Artesiano.

Veja mais detalhes de temas relacionados ao assunto:
1- TRANSFORMAÇÕES GEOLÓGICAS
Veja como ocorrem as transformações geológicas e a formação das camadas de basalto.
2- CAVERNAS
A retirada de água de cavernas subterrânes deve ser feita com estudo geológico.
3- CONSUMIDORES DE ÁGUA
4- DE ONDE VEM A ÁGUA    

 

 Conheça o autor do site:

Roberto Massaru Watanabe é formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - Turma de 1972, possui especialização em Hidrologia e participou do projeto das grandes obras hidráulicas da engenharia nacional como o Sistema Cantareira de Abastecimento de Água para a Grande São Paulo, Emissário Submarino de Efluentes da cidade de Santos, Sistema de Captação de Água para a Aracruz Celulose e reservatórios de água das hidrelétricas de Ilha Solteira, Itaipú e Tucurui.

Veja outros sites mantidos por Watanabe:

FOTOSSÍNTESE
  ACIDENTE DE TRÂNSITO
   

 


ET6\artesiano\artesia.htm em 06/01/2003, atualizado em 06/11/2014.

    RMW-89473-26/12/2014