logochuva.jpg (6469 bytes)

F ENÔMENOS   A TMOSFÉ   RI  COS 

Anote este endereço: www.ebanataw.com.br/atmosfera/

Ainda nos dias de hoje encontramos pessoas que pensam que a CHUVA é um fenômeno meteorológico que resulta da simples condensação da umidade existente no ar e é comum encontrarmos, nas escolas de ensino fundamental, a explicação do Ciclo Hidrológico baseada apenas na alternância entre os fenômenos de evaporação/transpiração e precipitação.

Até a norma técnica brasileira, a NBR-10844, que a arquitetura e a engenharia são obrigadas a seguir, contém conceitos arcaicos em que um bairro de uma cidade pode apresentar índices de chuva diferentes de outros bairros da mesma cidade.

   

então não é raro recebermos notícias de inundações e alagamentos, e isto acontece especialmente em obras públicas como escolas e hospitais. Os valores máximos de chuva apresentados pela norma, atualmente em vigor, são infinitamente inferiores aos valores reais que costumam ocorrer na realidade de modo que ao elaborar um projeto que envolva chuvas, o profissional da construção deve incluir na Memória de Cálculo os argumentos justificativos da sua escolha por valores acima do que o máximo prescrito em normas técnicas oficiais. Observe que é comum ocorrerem chuvas de mais de 300 milímetros por hora de intensidade enquanto que a norma determina que basta considerar (veja quadro acima) uma intensidade de apenas 204 milímetros por hora numa obra que será feita na Praça XV no Rio de Janeiro.

Nas obras públicas, o projeto do telhado deve ser feito em estreita obediência às Normas Brasileiras. Como a norma estabelece padrões de chuva muito abaixo do que acontece na realidade, o telhado acaba desabando na primeira chuva forte. O profissional habilitado que faz o dimensionamento do telhado, Arquiteto ou Engenheiro, pode adotar valores de chuva acima do que estabelece as normas porém deve apresentar justificativa com argumentos convincentes caso não queira ser acusado de super-faturamento, isto é, fez um telhado muitas vezes mais forte para conseguir um preço mais alto da obra.

   

O profissional da construção, Arquiteto ou Engenheiro que recebe uma boa formação em ciências tem condições de estudar por conta própria, determinar a quantidade de água da chuva e projetar a obra adequada (piscinão, barragem de regularização, drenagem profunda, galeria de coleta e condução de águas pluviais, etc.) capaz de reter, conter, desviar, controlar o fluxo das águas pluviais, conforme o caso, e assim evitar que a chuva chegue a causar algum dano nas propriedades ou até, infelizmente, vitimas fatais.


Uma obra de engenharia deve atender bem à finalidade para a qual ela foi construída durante toda a sua Vida Útil, que não deve ser menor que 60 anos, em obras comuns, e nesse período suportar bem as chuvas com grandes Períodos de Recorrência como 1.000 anos para obras de grande importância ou de 10.000 anos em obras de grande impacto como uma barragem que barra um grande volume de água e cujo rompimento possa causar danos ambientais de grande monta.

Que tipo de fenômeno atmosférico pode ocorrer durante esse período? Uma chuva simples? Uma chuva catastrófica? Uma combinação de Chuva de Verão com Frente Polar? Uma combinação de Frente Polar com uma Zona de Baixa Pressão?

Não importa o tipo de fenômeno e a combinação deles. A Engenharia tem ferramentas que permite fazer a previsão exata do fenômeno e da combinação também exata de suas ocorrências e, até certo ponto, determinar a época ou o ano em que o fenômeno ou a combinação de fenômenos irá ocorrer. Quando acontece um desastre em que pessoas têm seus bens perdidos ou vidas são perdidas nem sempre há falhas da engenharia mas sim a falta da obra de engenharia, falha do governante que, por algum motivo, deixou de executar a obra de engenharia que poderia evitar a ocorrência de desastres. Nas fotos a seguir, do lado esquerdo vemos um talude devidamente protegido com obras de drenagem e do lado direito um talude rompido justamente por falta dessas obras. Por que será que alguns locais recebem toda a atenção dos governantes e outros locais não? Quando acontece um desastre como este o governante vem a público e dá aquela desculpa esfarrapada: "Choveu mais que o esperado!" e fica nisso. Niguém indeniza ninguém, ninguém é responsabilizado, ninguém faz nada e muitas vezes o barranco fica assim por muitos e muitos anos.

 

É claro que o estudo aprofundado deve ser precedido de aprendizado avançado, porém este site procura apresentar os principais fenômenos que ocorrem na atmosfera terrestre e o faz de forma didática com desenhos elaborados em escala e cores exageradas para facilitar a compreensão.


FENÔMENO NO 1 - EFEITO GLOBAL DO SOL:

 O SOL é uma estrela fumegante onde ocorrem violentas reações núcleares que geram calor intenso de milhares de graus centígrados e espalham radiações que percorrem milhões de quilometros pelo espaço sideral.

Nosso planeta, a Terra, está no caminho das Radiações Solares e possui um manto protetor que desvia as radiações e impedindo que elas nos atinjam.

 

Não fosse esta proteção, a Terra seria apenas uma Grande Pedra, fria, sem vida girando ao redor do sol.

É claro que o estudo aprofundado deve ser precedido de aprendizado avançado, porém este site procura apresentar os principais fenômenos que ocorrem na atmosfera terrestre e o faz de forma didática com desenhos elaborados em escala e cores exageradas para facilitar a compreensão.


FENÔMENO NO 2 - ATMOSFERA TERRESTRE:

A existência de água e a temperatura mantida entre os extremos entre a água congelada e a água na forma de vapor propicia a existência da Atmosfera terrestre, que possui uma cor azulada graças aos gases (nitrogênio, oxigênio e outros) e que chamamos de "céu".

 

A atmosfera da Terra é formada por camadas e, em cada camada ocorrem fenômenos específicos como as belíssimas Auroras (boreais e austrais), a navegação dos satélites artificiais, a importantísisma camada de ozônio e a camada mais densa, chamada Troposfera, onde conseguem voar os aviões (os aviões, planadores, ultrleves e asa delta precisam de ar denso para voar), se formam as nuvens e ocorrem as chuvas. As temperaturas variam de camada a camada, sendo em média em torno de 20OC junto á superfície diminuindo à medida em que subimos. Os aviões a jato voam a 10.000 metros de altitude onde a temperatura gira em torno de 50OC negativos.

 


FENÔMENO NO 3 - A CÉLULA DE HADLEY:

Até o século XVIII, a ciência acreditava que a atmosfera era estática e as chuvas se formavam graças aos fenômenos de evaporação e precipitação, isto é, o calor fazia a água evaporar, o ar úmido e quente ficava mais leve e subia para camadas superiores onde a temperatura é mais baixa, essa temperatura fazia as gotículas do vapor de água se condensarem e, com o peso, as gotas precipitavam, isto é, caíam formando as chuvas e isso era chamado, e ainda é, de Ciclo Hidrológico.

 

Em 1735, um meteorologista (pessoa que estuda os fenômenos que ocorrem na atmosfera terrestre) inglês de nome George Hadley estudou por muitos anos o movimento das nuvens e das chuvas e descobriu que na zona do Equador, onde os raios solares incidem com maior intensidade, a terra, a vegetação e a água do mar esquentam mais que na zona dos Trópicos e essa diferença de temperatura faz o ar circular, subindo na zona equatorial, voando milhares de quilometros e descendo na zona tropical. Obviamente, os concorrentes com inveja inventaram um monte de besteira para não aceitarem esta teoria e o mundo demorou muitos anos para aceitar essa teoria mas acabou aceitando e dando o nome de Célula de Hadley para o fenômeno.

A água evapora com o calor de Macapé-AP Vira nuvens e viaja mais de 2.600 km pela alta atmosfera E cai, na forma de chuva, em São Paulo-SP

Veja um desenho esquemático feito em escala exagerada sobre o mapa da América do Sul para vocês terem uma idéia do tamanho dessa Célula que começa na Linha do Equador, que passa na cidade de Macapá, e termina na Linha do Trópico de Capricórnio, que passa perto da cidade de São Paulo. Explicando melhor: o calor de Macapá faz evaporar as águas dos rios e lagos, essa água evaporada forma nuvens que "caminham" pelo efeito da Célula Hadley pela alta atmosfera até São Paulo (cerca de 2.600 quilometros) e encontrando temperaturas mais frias condensam e caem na forma de chuva.

De forma detalhada, podemos ver os eventos atmosféricos que ocorrem dentro da Célula de Hadley.

 

EFEITO NO 1 - Aquecimento da superfície, da vegetação, das casas, prédios, das águas de lagoas, rios e mares. 

Por causa da forma esférica da Terra, os raios solares atingem com maior intensidade nas regiões mais próximas da Linha do Equador. O ar fica mais quente, mais leve, mais rarefeito, as pessoas sentem mais calor. As águas evaporam aumentando a umidade relativa do ar.

EFEITO NO 2 - Térmica ascendente. 

O ar, mais quente e úmido e mais leve, sobe para camadas mais altas. Chamamos de Térmica Ascendente. Dependendo da intensidade do calor, a térmica forma uma corrente (vento) ascendente de ar. Os praticantes de paraglide e asa delta conhecem bem esse fenômeno e tiram proveito conseguindo ficar horas e horas no ar. Aprenderam observando as águias, as gaivotas, os albatrozes e outras aves de grande porte que voam sem bater as asas.

EFEITO NO 3 - ZBP.

A corrente ascendente não sobe reto. Sobe na forma de redemoinho, girando no sentido horário (aqui no hemisfério sul) para quem observa o efeito a partir do espaço. Quando o ar sai, o espaço fica meio que vazio criando uma Zona de Baixa Pressão - ZBP.

EFEITO NO 4 - Chuva de Verão. 

Dependendo da concentração do calor, isso depende das características de ocupação do solo e das nuvens, a Térmica Ascendente fica, por um certo tempo, presa sob as nuvens mas forçando as nuvens para cima abre um buraco nas nuvens e sobe com uma corrente tão forte que chega a atingir grandes altitudes formando um tubo que parece um cogumelo. Nas grandes altitudes, as gotículas do vapor de água congelam, se juntam formando bolas de gelo e, pelo peso, caem na forma de granizo. Às vezes o granizo consegue chegar até o solo e formam camadas espessas que duram vários dias para derreter mas na maior parte das vezes o gelo derrete ao longo da queda e podemos sentir a chuva com gotas "bem gelada". Chamamos de Chuva de Verão. Por esta característica, a chuva de verão é sempre localizada, forte e de curta duração.

Os Piscinões são as obras especialmente indicadas para reter (segurar) a frente da Chuva de Verão, isto é, os 10 minutos inciais da chuva que tem um período de recorrência de 5 anos. Veja mais detalhes sobre a Chuva de Verão em . Embora muito bons para segurar a frente da chuva de verão, os piscinões não tem capacidade para armazenar os outros tipos de chuvas.

       

Regiões densamente edificada com muitos prédios altos e com pouca vegetação são mais suceptíveis à ocorrência da Chuva de Verão. Veja mais detalhes em .

EFEITO NO 5 - Ciclones. 

Depois que a térmica ascendente atingiu grandes altitudes, a massa de ar é levada para as regiões dos trópicos. No hemisfério sul ela caminha para a direção do polo sul e no hemisfério norte para o polo norte. A massa de ar não caminha reto. Como as águas que saem pelo ralo numa pia ou num tanque, forma-se redemoinhos.

 

No caminho entre a região do Equador até a região dos Trópicos, por causa da forma esférica da Terra, as nuvens formam redemoinhos.

EFEITO NO 6 - Efeito Coriolis. 

Por causa da forma esférica da Terra e pelo fato da Terra estar girando, as nuvens que formam redemoinhos, o fazem num ou noutro sentido. No hemisfério sul os redemoinhos giram no sentido horário.

    

Veja mais detalhes sobre o Efeito Coriolis em .

EFEITO NO 7 - Transformações do Ciclone. 

No seu caminho, um ciclone já formado pode encontrar regiões com maior concentração de calor o que aumenta o "poder" do ciclone, isto é, aumenta a velocidade dos ventos e diminui o diâmetro passando a ter outras denominações, além de ciclone, em função da velocidade média dos ventos. Veja os nomes mais comuns.

CICLONE FURACÃO  TUFÃO  TORNADO TROMBA 
         
Diâmetros muito grande como 1.500 km e velocidades pequenas 50 km/h  Diâmetros grande como 800 km e velocidades médias 150 km/h Diametros médios como 100 km e velocidades altas 200 km/h  Diâmetros pequenos como 2 km e velocidades muito altas 400 km/h Diâmetros concentrados como 100 metros e  velocidades altíssimas podendo sugar casas e carros.

EFEITO NO 8 - ZAP. 

A Zona de Alta Pressão - ZAP é onde a Célula de Hadley retorna à superfície, descendo da troposfera. Por ser muito seco não traz chuvas e ainda tem a tendência de formação de desertos.

EFEITO NO 9 - Ventos Alíseos. 

É o movimento do ar na parte baixa, junto à superfície, da Célula de Hadley. Embora tenha a tendência de movimentar-se do sul para o norte, por causa do Efeito de Coriolis, sopra do sudeste para o noroeste.


FENÔMENO NO 4 - AS ZONAS DE CONVERGÊNCIA:

Zonas de Convergência são sistemas meteorológicos que têm forte influência sobre o vento e o clima na Terra e se caracterizam por ser uma interação entre eventos meteorológicos das latitudes médias e tropicais, isto é envolvendo o Equador e os Trópicos de Câncer e Capricórnio..

Existem quatro zonas de convergências principais que são:

ZCIT - Zona de Convergência Intertropical;

ZCAS - Zona de Convergência do Atlântico Sul;

ZCPS - Zona de Convergência do Pacífico Sul e

ZCIS - Zona de Convergência do Índico Sul.

Vejamos cada uma delas.

1 - ZCIT - Zona de Convergência Intertropical. 

A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) é um dos mais importantes sistemas meteorológicos e é caracterizado por formar uma faixa de muitas Células Hadley concactenadas e encadeadas paralelamente à Linha do Equador.

No lado a Linha do Equador encontramos Zonas de Baixa Pressão com correntes quentes e úmidas ascendentes que atingindo a troposfera caminham em direção aos trópicos na forma de ciclones, havendo uma ZCIT no hemisfério norte e outra ZCIT no nosso lado do hemisfério sul. Chegando à linha do Trópico de Capricórnio, há uma descida de ventos secos e já frios formando uma Zona de Altra Pressão. Na continuação, formam-se, junto ao solo, Ventos Alíseos.

Influenciados pelo Efeito Coriolis, os ciclones sofrem, a cada ciclo (volta) um ligeiro desvio para leste soprando, então, do noroeste e, ao contrário, os ventos alisios em vez de soprarem para o norte, sofrem um pequeno desvio para oeste passando a soprar do sudeste.

Veja no desenho abaixo a ZCIT em mancha na cor vermelha e os ventos alíseos, rente à superfície, na forma de setas soprando de sudeste (no hemisfério sul).

Ao longo da linha do Equador formam-se infinitas Células de Hadley como se fossem anéis dispostos lado a lado, cada um circulando de forma individual e independente:

Na realidade, o Efeito Coriolis atua sobre esta formação de anéis fazendo com que um anel, em vez de fazer uma volta completa sobre si mesmo, termine a volta um pouco deslocado para o oeste e, deste modo, se ligando ao anel adjacente, somando seus efeitos que vão ficando cada vez mais forte.

 

A zona não fica parada exatamente sobre a linha do Equador mas oscila, a cada ano, um pouco para o norte (chegando até a latitude 8ON) nos meses JJF e um pouco para o sul nos meses DJF. O desenho seguinte mostra, em vermelho, a ZCIT no (nosso) inverno e em azul no (nosso) verão. Observe que no verão a zona fica situada mais sobre o território brasileiro pegando boa parte da região nordeste. Este ciclo de sobe/desce pode durar de 3 a 7 anos. Algumas regiões brasileiras, como o Nordeste, sofrem com este ciclo e alguns anos são premiados com chuvas intensas e abundantes intercaladas por anos secos.

Observe que o Deserto de Saara está localizado exatamente na área em que atua a zona de alta pressão da Célula Hadley que é seca e observe também que a Amazônia está localizada exatamente para onde converge a ACIT levando toda a umidade retirada do Oceâno Atlântico.

Quando a ZCIT está mais ao norte não ocorrem chuvas no nordeste e lá o ano é chamado de Ano Seco. Ao contrário, quando a ZCIT está mais ao sul ocorrem muitas chuvas no nordeste quando eles chamam de Ano Chuvoso.

Da grande quantidade de água carregada pela ZCIT para a região amazônica (quase toda evaporada do Oceano Atlântico), uma parte cai na forma de chuva mas uma outra quantidade de água é agregada formando um verdadeiro rio aéreo que flui pela atmosfera até encontrar, no extremo oeste um muro formado pela Cordilheira dos Andes que bloqueia o fluxo. Então, uma parte condensa formando as nascentes do rio Amazonas nas encostas dos Andes e outra grande parte desce para o sul passando sobre o estado de Mato Grosso onde faz chover sobre as extensas plantações. Depois, dependendo das condições da Zona de Convergência do Atlantico Sul, ajudada pelo El Niño/La Niña, é desviado para a região do norte da Minas Gerais, para São Paulo ou mais para o sul, para a região de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O desenho seguinte mostra o caminho do fluxo de nuvens.

Veja no mapa seguinte as regiões do mundo que são beneficiadas com abundância de chuva fornecida pela ZCIT:

Agora, você entende por que o Brasil, em especial o oeste amazônico e o centro-oeste são as regiões do mundo mais propícias para o desenvolvimento da agricultura em larga (e bota larga nisso) escala. Veja um caso prático que mostra que o Estado do Mato Grosso se encontra numa região, única no mundo, que reuni as condições geo-climáticas para produzir alimento para o mundo. Clique na figura abaixo:

 .

2 - ZCAS - Zona de Convergência do Atlântico Sul. 

A Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), é uma grande faixa de nebulosidade persistente que se estende desde o sul da região amazônica até a região central do Atlântico Sul, e ocorre na baixa troposfera e é orientada no sentido do noroeste para o sudeste ficando bem caracterizada no verão.

É a responsável por períodos de enchentes na região sudeste e veranicos (períodos de estiagem, acompanhada por calor intenso em plena estação fria com duração de mais de quatro dias, baixa umidade relativa e forte insolação) na região sul do Brasil.

A formação da ZCAS ocorre sobretudo entre o final da primavera (dezembro)  e o verão (abril) e pode abranger além da amazônia e o centro-oeste posições mais ao sul atingindo Paraná e Santa Catarina e posições mais ao norte chegando a Bahia e o sul do Piauí e Maranhão e todos os estados entre estes.

Diversos podem ser os fatores locais que favorecem a ocorrência da ZCAS, destacando-se o encontro com o ar do Anticiclone do Atlântico Sul (ACAS), a ZCIT ao norte e o Cavado na Cordilheira dos Antes.

O fluxo do ar quente e úmido em baixos níveis é o responsável por intensificar a convergência de umidade ao associar-se ao Jato Subtropical (JST) em altos níveis, fluindo em latitudes altas intensificando a formação de instabilidade convectiva na Amazônia e no Brasil Central.

As chuvas provocadas pela ZCAS foram as responsáveis pelas enchentes e deslizamentos de terra ocorridas na Região Serrana do Rio de Janeiro em 2011, que deixaram mais de 900 vítimas fatais. Por outro lado, a ausência da ZCAS entre 2014 e 2015 favoreceu uma condição de seca na região sudeste, protagonizando a grande Crise Hídrica ocorrida na região.

Sofre ainda, a ZCAS, da influência de fenômenos do Oceano Pacífico como o para El Niño/La Niña, como ocorreu em 2015.

A ZCAS podem ficar espremida, havendo anos com maior largura e anos mais estreito e também oscilam, ano a ano, uma pouco para o norte, atingindo mais os estados de Minas Gerais e Espírito Santo ou um pouco mais para o sul atingindo mais o estado de São Paulo e também mais ainda para o sul atingindo mais o estado do Paraná, podendo chegar, conforme o ano, até o estado do Rio Grande do Sul. Veja as várias fotografias de satélite.

     

3 - ZCPS - Zona de Convergência do Pacífico Sul. 

A Zona de Convergência do Pacífico Sul (ZCPS) é a maior em extensão entre as ZCAS e ZCIS, se localiza predominantemente sobre o oeste do Oceano Pacífico na região chamada de continente marítimo (Indonésia) que se caracteriza pelas altas temperaturas da superfície oceânica (algo em torno de 27ºC). Assim como a ZCAS e a ZCIS ela tem orientação noroeste/sudeste.

Não vou detalhar por ter pouca influência no clima sobre o Brasil.  

4 - ZCIS - Zona de Convergência do Índico Sul. 

A Zona de Convergência do Índico Sul (ZCIS) é a menos marcante de todas as zonas de convergência e é caracterizada por ser uma zona de convergência em uma camada inferior úmida.


FENÔMENO NO 5 - CAVADO:

O cavado é uma área de instabilidade de baixa pressão, de forma alongada, baixa e frequentemente associada a frentes.

Parecido com uma Zona de Baixa Pressão, difere pois o circuito não fecha. É comum o Cavado ocorrer entre duas áreas de Alta Pressão, muitas vezes, gerando ventos. Quando não ocorre ventos o cavado é denominado Passo.

Uma frente fria, ao perder força, pode se transformar num cavado.


FENÔMENO NO 6 - EL NIÑO / LA NIÑA:

São fenômenos atmosféricos que ocorrem no Oceano Pacífico.

Em um ano "normal", isto é, sem a ocorrência do El Niño e nem do La Niña, as águas do Oceano Pacífico, na região compreendida entre a Linha do Equador e as linhas dos trópicos, são influenciadas pelo efeito das Células de Hadley que empurra as águas superficiais para o oeste. Como o oceano é estratificado em camadas com as águas mais quentes nas camadas mais superficiais e as águas mais frias, ricas em nutrientes, nas camadas mais profundas, a ação dos Ventos Elísios das Células de Hadley empurram as águas quentes em direção da Austrália e, com isso, facilitam que as águas mais frias cheguem à superfície junto à costa do Chile, ajudadas pela Corrente de Rumboldt. Esse fenômeno é conhecido como Célula de Walker. A abundância de nutrientes na costa do Chile faz, desta região, a que produz, em variedade e quantidade, o melhor pescado do mundo.

 

O fenômeno El Nino começa a acontecer nos dias que antecedem o natal, daí seu nome em alusão ao nascimento do Menino Jesus, pelo enfraquecimento da intensidade dos Ventos Alísios que chegam a parar, podendo surgir um vento contrário que ao contrário dos Alísios que sopram do sudeste para o noroeste, sopram de oeste para o leste empurrando as águas superficiais (mais quentes) do Oceano Pacífico em direção à América do Sul. Isso bloqueia o fluxo da Corrente de Rumboldt e impede a subida das águas frias ricas em nutrientes, a pesca diminui e o nível médio do oceano sobre cerca de 50 centímetros na costa da América do Sul.

O efeito do El Niño não acontece somente nas costas da América do Sul. O mundo inteiro sofre os efeitos:

Em especial, veja os efeitos do El Niño no Brasil:

O Período de Recorrência do El Niño é variável podendo ocorrer entre 3 e 4 anos e com duração, também variável.

A ÚLTIMA OCORRÊNCIA:

O evento de 2015 teve início no mês de maio quando as condições para a formação do El Niño foram anunciadas pelo Bureau of Meteorology (Austrália), pela Agência Meteorológica do Japão e pela National Oceanic and Atmospheric Administration dos EUA confirmando formação de um El Niño com intensidade prevista entre moderado e forte, podendo se estender até o começo do ano de 2016. No fim do mês de Junho a região central e leste do Pacífico alcançou anomalias de temperatura equivalentes a um El Niño em patamar forte. No mês de Novembro as temperaturas na região central do pacífico foram superiores as registradas no grande evento de 1997/98. A Organização meteorológica mundial declarou que o evento é um dos três maiores já registrados, juntamente com os de 1982/83 e 1997/98.

INFLUÊNCIA NO BRASIL (no ano 2015):

Veja quando tivemos o El Niño nos últimos anos:

·  1990-1993 - Forte intensidade

·  1994-1995 - Intensidade moderada

·  1997-1998 - Forte intensidade

·  2002-2003 - Intensidade moderada

·  2004-2005 - Fraca intensidade

·  2006-2007 - Forte intensidade

·  2009-2010 - Intensidade moderada

·  2015-2016 - Forte intensidade

·  2018-2019 - Fraca intensidade

LA NIÑA:

É o inverso do El Niño. Não é sempre que tem mas quando acontece ocorre logo após um El Niño e também no final do ano. Ocorre entre 9 a 12 anos e caracteriza-se pela intensificação na Célula de Walker, isto é , os Ventos Alísios passam a soprar com maior intensidade.


FENÔMENO NO 7 - FRENTE  FRIA:

O ar no continente Antártico é frio (em média -50OC) e seco e tem uma densidade alta (é pesado). Ao contrário, o ar na região subtropical (abaixo do Trópico de Capricórnio) é quente e úmido (é mais leve). Então, pela diferença de densidade o ar frio "se esparrama" para o norte penetrando por baixo do ar quente e empurrando-o para cima. Forçado a subir a altas altitudes, o atrito do ar produz muita eletricidade estática o que resulta em relâmpagos (parte visível) e trovões (parte audível). Nas altas altitudes a temperatura é bem fria (-50OC) então a umidade condensa e congela formando pequenas patículas de gelo que pelo peso cai formando a chuva de granizo.

Um pouco antes dessa chuva, a temperatura sobe, o ar fica abafado, a pressão atmosférica cai e aumenta a sensação térmica. As pessoas pensam "vai vir uma tempestade!".

Logo que a frente fria passa, o céu clareia e aparecem nuvens de bom tempo e a temperatura cai.

Nas horas e dias que se seguem há chuvas leves e ocorrem nevoeiros.


ENERGIA ELÉTRICA

Saiba em que lugar do mundo há eletricidade farta, confiável e 100% renovável

 Conheça os recursos hídricos do Brasil e porque causa tanta inveja aos países do primeiro mundo.
  ROTARY INTERNATIONAL

Veja uma matéria sobre ÁGUA na edição de março de 2020 da revista do Rotary.
 

NOTA DO AUTOR:

O conteúdo deste site tem por finalidade orientar os profissionais que lidam com o projeto, dimensionamento, construção, manutenção e reforma de obras hidráulicas, isto é, obras que se destinam a reter, conter, controlar, regular o fluxo das águas pluviais. Embora, aparentemente, seja suficiente obedecer às prescrições de normas técnicas oficiais, a Engenharia não pode dispensar (a Memória de Cálculo é obrigatória) um cálculo cientificamente fundamentado onde sejam apresentadas as diretrizes adotadas no projeto, as hipóteses consideradas.

Este site foi elaborado e é mantido por abnegado engenheiro que tendo participado do projeto das obras hidráulicas de porte da engenharia nacional, como o Sistema Cantareira de Abastecimento de Água da Grande São Paulo, a Hidrelétrica de Ilha Solteira, Itaipu e Tucurui, adquiriu respeitável experiência no trato com as águas da chuva e apresenta os fundamentos da formação das precipitações atmosféricas, os fenômenos que condicionam a ocorrência e a distribuição das chuvas em território brasileiro. Pela sua finalidade, o conteúdo deste site pode ser livremetne copiado, distribuído e impresso. Só não pode ser pirateado, isto é, copiado e apresentado como se fosse de sua autoria. Para mais detalhes da experiência profissional, clique aqui .

\ET5\chuvas\FenomenosAtmosfericos.htm em 09/02/2020, atualizado em 02/01/2021.

    RMW-6255-25/09/2021