Rotary Club de São Paulo - TATUAPÉ

TEMA DO MÊS:
Dar de Si Antes de 
Pensar em Si

TEMA DO ROTARY INTERNATIONAL:
A Humanidade é a Nossa Missão

ANO XXXII N0 23 - 04/12/2001

PROJETO LIGAÇÃO DE ÁGUA EM FAVELAS


Favelas são conglomerados urbanos, geralmente não-oficiais, construídos diretamente pela população em terrenos irregularmente ocupados.

Nas grandes metrópoles, devido ao alto custo do terreno, até mesmo famílias de classe média têm dificuldades de comprar um imóvel. Então a grande maioria das famílias são obrigadas a morar em favelas. Quem mora numa favela não é, por isso, gente pobre ou desempregada.Sendo uma ocupação irregular, não recebem quase nenhum benefício da Prefeitura, do Governo do Estado e nem Federal.Nos grandes centros urbanos, muitas das favelas estão otimamente localizadas ao lado de bairros granfinos como essa ao lado, a Favela do Real Parque, que está confortavelmente instalada no chiquézimo bairro do Morumbí, lado a lado com condomínios de altíssimo padrão.

 

Não tendo atenção do poder público os moradores são obrigados a improvisar. 

A eletricidades, por exemplo é tomada a partir de um poste da concessionária mais próximo da favela e os fios de cada casa são esticados, do jeito que dá, pelas vielas ou por cima das casas até chegar à casa destino.

Tudo é feito de qualquer jeito, não há padrão e nem estudo ou cálculo técnico, sendo, por isso mesmo, causa de muitos curtos circuitos, choques, incêndio e mortes.

Outro insumo importantíssimo para a vida e que não pode ser diretamente atendido pelo poder público é a água.

No caso da água, nem sempre ela é obtida por meio de "gato", isto é, uma ligação clandestina à rede da concessionária. Nas favelas organizadas pela comunidade, a água é solicitada à concessionária.

A concessionária de água não pode fornecer água diretamente às casas da favela por diversos motivos:

1 - A viela onde está a casa não tem, normalmente, nenhum tipo de identificação, isto é, a viela não tem nome.
2 - As casas da viela também não tem nenhum tipo de identificação, isto é, não tem número.

Então como a água é obtida?

Um dos moradores, aquele cuja casa fica na beira de uma via oficial, pede a ligação à concessionária.
A concessionária pode atender pois o cavalete e o hidrômetro ficarão em um lugar que tem endereço com nome da rua e número.

Dessa forma, a concessionária poderá enviar, no fim do mês, a conta do consumo de água.

A partir do cavalete, os próprios moradores puxam mangueiras, tubo, cano e o que mais tiver à mâo para levar a água à sua casa. Não há bagunça nenhuma nessas ligações pois os próprios moradores fiscalizam.

Vamos supor, então que uma determinada viela tenha 70 casas e todas possuem água graças à uma mangueira que o próprio morador puxou.

Aquele "relógio" (tecnicamente conhecido como hidrômetro) instalado pela concessionária na parede daquele imóvel junto à via oficial, vai marcar o cosumo de todas essas 70 casas juntas. Vai vir uma conta de, por exemplo, R$ 700,00.

O morador da casa que tem endereço, vai receber essa conta de R$ 700,00 e ele mesmo vai fazer uma conta de dividir e dividindo o valor da conta de consumo, isto é, os R$ 700,00 pelas 70 casas que estão ligadas naquele "relógio", vai encontrar o valor de R$ 10,00 que deverá ser pago por cada uma das casas.

A BRIGA

Não é fácil fazer o rateio da conta de R$ 700,00. Na viela mora um casal de aposentados que gasta muita pouca água. Mora também um casal que tem 5 filhos e todos adoram tomar banho. Então, esse rateio por igual origina muitas discussões e brigas.

Até parece um condomínio de apartamentos. Bem, depois de muitas discussões e acordos, onde os que consomem muito "prometem" consumir menos no próximo mês, vem outro problema.

O casal de aposentados gasta quase todo o dinheiro da aposentadoria na compra de remédios e implora para que eles possam pagar os R$ 10,00 no próximo mês.

Como você podem ver, o problema de água nas favelas é coisa complicada, séria e que tira o sossêgo de muita gente.

O PROJETO LIGAÇÃO DE ÁGUA EM FAVELAS, DO ROTARY TATUAPÉ:

O Projeto leva em consideração um Projeto Social da SABESP. A SABESP (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, que é concessionária em São Paulo) possui um porjeto social denominado Ligação Social. Nesso projeto o fornecimento de água pode ser feito sem aquele rigor todo com taxas e tarifas. A instalação do hidrômetro que custa R$ 115,00 pode ser de graça. O fornecimento de água pode ser feito por cotas e a primeira cota de 10 m3 sai por apenas R$ 2,00.

Para ter direito à Ligação Social, a instalação da rede deve obedecer a certas regras:

1 - A Viela precisa ter um Nome que a identifique. Não precisa ser um nome oficial (desses aprovados pela Câmara Muncipal).

2 - As Casas precisam ter um Número.

3 - O Cavalete e o Abrigo precisam ser confeccionados pelo Morador ou pela Comunidade.

4 - A Abertura da vala para a instalação da Rede deve ser feita pela Comunidade pelo sistema de Mutirão.

5 - Com a vala aberta, a Comunidade deve entregar um Ofício na SABESP. A SABESP vem, traz os Tubos e faz a instalação do Tubo na Vala.

6 - A vala onde o tubo alimentador foi instalado deve ser fechado pela Comunidade pelo sistema de Mutirão.

7 - A SABESP vem, traz o relógio, faz a ligação no cavalete e não cobra nada por isso.

PARECE FÁCIL!

Nem tanto. É trabalhoso.

Nem sempre a Comunidade está preparada para isso. Existem "donos" nas favelas que só permitem fazer coisas que eles querem. Primeiro é necessário ganhar a confiança do dono.

Depois é necessário formar o tal de Mutirão e vocês sabem que as pessoas são muito preguiçosas e não aderem  de imediato. É preciso muito papo, muita conversa, muita cerveja e muito bolinho de carne para conseguir convencer eles. Sempre existe aquele "cabeça dura" que não quer fazer e é contra o que quer que seja.

Então, segue recetinha do que foi feito pelo Rotary Tatuapé na Favela Tolstoi em Sapopemba e na Comunidade Rodolfo Pirani em São Mateus, ambas na Zona Leste de São Paulo.

Primeiro Passo: Convencer a Liderança Local.

As favelas têm "donos" que mandam e desmandam mas nunca aparecem. Ninguém sabe quem são. Vivem escondidos. Não que eles fiquem realmente escondidos, podem até estar presentes mas você não os vê, ou não consegue vê-los.

Então é preciso muita estratégia até chegar neles.

Eles, todos eles, acham que você é da polícia, do combate ao narcotráfico, do exército, etc. e fazem de tudo para você não se aproximar da favela. Te ameaçam, te questionam e duvidam de tudo que você possa dizer. O curioso é que nenhum deles (chefões) aparece para conversar contigo. 

Então você deve ter paciência. A aproximação deve ser feita em etapas e talvez você fique meses nessas tentativas de aproximação.

No primeiro dia você deve entrar pouco (não avançar muito para dentro da favela) e parar no primeiro bar e pedir, inocentemente, um refrigerante para matar a sêde. O bar vai estar cheio de gente que geralmente estão jogando sinuca. Niguém, no bar, vai olhar diretamente para você mas todos estarão bem antenados em todos os seus movimentos. Se ninguém falar nada com você, então já é uma vitória. Saia de mansinho e considere que o primeiro passo foi dado com sucesso.

Nas vezes seguintes, você deve inventar uma estratégia própria para chegar aos donos da favela. Lembre-se sempre que eles acham que você é da polícia e quer prender alguém de lá. Por isso, é bom "não perguntar" pelo nome de ninguém. Você deve sempre mostrar boa vontade e ser muito claro nas suas explicações. Frases curtas e nunca empregar termos difíceis. Lembre-se também de ir com trajes simples. Nunca vá com roupa nova. Se for de carro, vá de carro velho e deixe estaconado em local visível.

Você pode falar da Polio Plus pois todos eles conhecem a Campanha do Zé Gotinha mas não diga ou não dê a entender que o Rotary comanda a vacinação pois eles nunca ouviram falar do Rotary.

Bem depois de um certo tempo, quando eles sentirem que você não oferece perigo para eles, irão permitir que você vá até o dono da favela.

Segundo Passo: Convencer os Moradores.

Bem, quando você tiver oportunidade de entrar em contato com o dono da favela, você já terá conhecido pelo menos um dos Líderes Comunitários. Existem Líderes Comunitários de tudo quanto é tipo. O primeiro é aquele ligado ao Doutor, que geralmente é o Vereador que tem na favela o reduto eleitoral dele. Você vê o nome dele grafado em tudo quanto é parede e muro da favela. Fique longe desse pessoal. Eles vão querer roubar o seu projeto e depois dizer que foram eles que fizeram tudo.

O segundo tipo de Liderança Comunitária é exercido por pessoas que moram na favela mas que são empregados em alguma Secretaria (da Prefeitura, do Estado ou Federal). São os aplicadores de "Programas Sociais" do governo. Falam muito, tem um discurso convicente mas, na prática, só enrolam e vivem dizendo "estão estudando" ou "vai sair".

O terceiro tipo de Liderança Comunitária é exercido por um morador que trabalha, tem filhos, dá um duro danado e ainda encontra um tempinho para fazer alguma coisa pela Comunidade. Festa Junina, presentes de Natal, faz bolos, envolve os moradores, costuram fantasias, fazem horta comunitária, escola de corte e costura, de cabelereiro, etc. e vivem cutucando as pessoas para superarem a preguiça. É essa a Liderança Comunitária que você precisa para garantir o sucesso do Projeto.

Com a ajuda do Lider Comunitário você deve "conversar" com a comunidade. Mostrar o que o Projeto, quais as vantagens que eles levam, a eliminação das brigas pelo rateio da conta conjunta e pela necessidade de se formar um mutirão.

Geralmente existe um local adequado para essa "conversa". Se o Pastor da igreja for "gente boa" ele vai emprestar o salão de cultos para fazermos a reunião. Se ele for gente boa mesmo você verá que ele é o próprio Lider Comunitário.

Se não tiver lugar adequado para essa conversa, você deve fazer na rua mesmo. Arranje uma caixa de madeira para subir em cima ou coloque uma pick-up no meio da rua. Se tiver um megafone melhor mas se não tiver fale no gogó mesmo.

Veja algumas fotos dos projetos que o Rotary Tatuapé realizou em 2001:


Favela TOLSTOI na avenida Professor Luis Inácio de Anhaia Melo, bairro de Sapopemba, uma das primeiras a serem beneficiadas pelo Projeto do Rotary TATUAPÉ. Total de 247 famílias beneficiadas.

.As primeiras reuniões foram realizadas em salões de entidades comunitárias (sociedade amigos, igrejas).

 


Quando não se conseguiu um local, foram realizadas na rua mesmo.

Núcleo habitacional Rodolfo Pirani, em São Mateus, outro local beneficiado. Mais 225 famílias beneficiadas.

Terceiro Passo: Instruir os Moradores.

Pela regra do Projeto Social da SABESP, o cavalete e o abrigo para o hidrômetro deve ser confeccionado pelo próprio Morador ou pela Comunidade. O cavalete pode ser adquirido nas lojas especializadas já prontos e no padrão da SABESP. Custa em torno de R$ 15,00.

O ideal é você convencer o Morador para ele comprar o cavalete pronto com dinheiro dele mesmo. Ele vai sentir "mais dono" do cavalete e vai dedicar mais cuidados na manutenção.

Se os Moradores foram muito pobres, então você mais o Líder Comunitário podem pensar em alguma atividade arrecadatória como um Bingo, uma Quesmesse, uma Macarronada Beneficente. O bom é ouvir sempre a Comunidade.

Uma parte muito interessante é a escolha dos nomes das vielas. Pela regra da SABESP, o "consumidor" precisa ter um ENDEREÇO que é o nome do logradouro e o número da residência. Ora, uma favela, que é uma ocupação clandestina, não tem nome nas vielas e nem número nas casas.

Então é feito um concurso para dar nome às vielas. De forma parecida com que as escolas de samba escolhem o tema, o samba-enredo e as fantasias, membros da comunidade da favela indicam nomes para cada uma das vielas e é claro que as sugestões estão ligadas à história, à cultura local e uma comissão escolhe a "melhor" sugestão usando, é claro, critérios populares como a "a mais velha moradora" ou "a mais dedicada" são adotadas para homenagear e eternizar figuras ilustres da Comunidade.

A identificação é também feita pela Comunidade com os recursos disponíveis:

O Projeto do Rotary Tatuapé teve a sorte de contar com a ajuda voluntária de um Engenheiro Civil (o doutor Roberto, como ficou conhecido) que esteve o tempo todo à disposição da Comunidade para dar todas as orientações técnicas Eis a Moradora feliz com a conclusão de seu cavalete e abrigo (feitos com a própria mão, ajudada pela filha) onde será instalado o relógio de água. Moradores ficam felizes por antecipação: Seu sonho está prestes a se realizar.

 

Quarto Passo: Montar o Mutirão.

Essa é a etapa mais trabalhosa. Trabalhosa porém gratificante.

Embora seja para o seu próprio benefício, os moradores são, geralmente, muito preguiçosos e precisam de muito incentivo, muita cachaça para se motivarem a trabalhar. Mas com um bom jeitinho e muitas piadas a gente vai levando.

Todos os moradores participam,
cavam as valetas onde serão assentados
os tubos de alimentação da rede de água.
 Os mais sjovens costumam ser
os mais entusiasmados.

Até onde foi tecnicamente possível, os moradores foram incentivados a participar. Abrir e fechar valeta é coisa simples e todos ajudaram, adultos, idosos e crianças todos participaram ativamente e no intervalo para descanso foi servido bolinhos de chuva e cafezinho. Mesmo estas atividades mais simples foram realizadas sob a supervisão de um voluntário habilitado. Assim, a concessionária não teve nem o trabalho de abrir a vala tendo ficado apenas com a atribuição de fazer o assentamento da tubulação. O reaterro foi feito, depois dos tubos assentados, pelo moradores também no esquema de mutirão.

Quinto Passo: Ligação.

Terminada a construção de todos os cavaletes e abrigos e terminada a abertura de todas as valas, foi só avisar a SABESP que ela foi lá, instalou a Rede de Abastecimento e instalaou, de graça, os hidrômetros.

Feito o reaterro, os Moradores fizeram a maior festa.


Na última etapa, um morador feliz exibe, com orgulho, a "sua" torneira de onde sai a "sua" água.
Junto com o morador, os agentes voluntários que tornaram possível a materialização do Projeto.

EXEMPLO A SER SEGUIDO:

Mais de 15 anos depois, o Governo do Estado de São Paulo desenvolve e implanta o projeto ÁGUA LEGAL nos mesmos moldes do projeto do Rotary Tatuapé.

Divide o programa em 5 passos:

a reportagem do jornal Folha de S.Paulo, edição de 29 de junho de 2017, detalha as diferenças (ANTES/DEPOIS) do programa:

Em vez da antiga Tarifa Social de R$ 2,00 (válida em 2001) a mesma foi atualizada para R$ 7,59 beneficiando ainda mais a população carente atingida pela grave crise econômica por que passa o país.

O programa tem um custo elevado pois a localização dos pontos de ligação é feita por georreferenciamento (usam imagens de satélite) e empresas contratadas por licitação por performance que fazem todo o trabalho de instalação da rede, dispensando a participação dos moradores dessa árdua tarefa. Os moradores não participam e apenas asssistem os trabalhos feito pelas empresas contratadas e depois recebem orientações.

RMW\4430\clubes\sptatuape\PLA.htm em 28/11/2003, atualizado em 02/07/2017.